[Alfarrábio] Desert Quest, uma lenda viva. (Parte 7)


alfarrabio

 

 

Hauopa Tibianos.

Destemidos aventureiros e aventureiras, preparem-se, nosso jovem guerreiro está prestes a encontrar.

Confiram!

 


Ilusões

 

Em sua maioria, qualquer pessoa ficaria no mínimo confusa diante de tais opções, bifurcações não aparecem simplesmente, elas sem dúvidas haviam sido construídas por humanos, pensou nosso guerreiro. Enfim, quem havia feitos tais tuneis não era tão importante naquele momento, afinal, que venha rápida ou demore morte é uma certeza.

Diante de tal dúvida, decidiu ir no caminho que não tinha saídas, o salão, que ficava logo a direita de onde estava.

Respirou fundo, afastou da mente todos os pensamentos de aflição e medo, focou todo seu corpo e mente em adentrar naquela caverna.

Cada passo fazendo o menor barulho possível, cada pisada extremamente calculada, não respirava forte e se movia o mínimo possível.

Enquanto andava lentamente, sua tocha preenchia todo o salão com uma luz amarela e trepidante, tipicamente produzida por um pano banhado em cera de abelhas.

Quando sua tocha finalmente havia preenchido por volta da metade do salão, ele observou estranhas sombras na parede, elas pareciam tão grandes quanto poderiam ser.

Seu coração palpitava de forma desordenada, sua boca secou quase que de imediato. Ele contou por volta de 8 grotescas criaturas.

Spiders! Ele exclamou, nada que um simples aldeão não de conta ele disse.

Com a experiência do nosso guerreiro, ele sabia que apesar de serem criaturas débeis e desprovidas de força, sua picada era extremamente venenosa, podendo levar um homem adulto a seu túmulo.

 

Aranhas

Não esperou muito, antes mesmo que elas pudessem cercá-lo, segurou firma sua espada e com um giro rápido e preciso de seu punho, cortou lateralmente a mais próxima dele. Quase que imediatamente outro monstro já estava diante do nosso guerreiro e outra o flanqueava para atacar pela lateral. Ele praguejou rapidamente ao esquivar de um repentino ataque pela sua frente, que por míseros centímetros não o atingiu. Nesse momento levantou seu braço e cravou sua espada no abdômen do monstro a sua frente e com feroz força puxou sua espada e num único movimento dilacerou o monstro que havia lhe flanqueado.

Não demorou muito para que as últimas três spiders o atacassem de forma direta e com força total. Diante desse fato pulou para esquerda e se posicionou na lateral de uma das três, imediatamente perfurou a spider com tamanha força que seu braço entrou quase que por completo no abdômen do monstro. Com incrível velocidade puxou seu braço e socou com a empunhadura da arma a segunda, derrubando-a. A última foi a mais fácil, bastou inclinar para a direita e cortar uma de suas pernas, fazendo ela cair em desequilibro e nesse instante cravou sua espada nas costas da aranha, matando-a instantaneamente.

Após o rápido combate, suspirou de forma aliviada e limpou sua espada, olhou os corpos e sentiu que aquilo era estranhamente familiar, talvez estivesse se lembrando das inúmeras batalhas que travou antes de entrar naqueles túneis.

Olhou atentamente para o salão que agora estava manchado de sangue e de restos de aranhas, olhou atentamente, mas nada de útil encontrou, era apenas mais um salão, talvez um dos muitos que não foram terminados, que agora serviam de moradia para aranhas ou qualquer outro tipo de monstro que ali quisesse residir.

Abriu sua mochila e dentro dela pegou seu cantil, bebeu um bom gole de agua, e tornou a guarda-lo dentro da mochila. Decidiu que seria um boa pedida anotar sua atual localização, e assim o fez, pegou seu mapa improvisado e rabiscou o local que estava agora.

mapa_18-1

Retornou a entrada e a partir dali só haveria 2 caminhos um que continuava em frente, claramente seguia o caminho natural da rocha, e outro, que parecia ter sido feito posteriormente e por mãos humanas.

Sentindo que aquelas não eram as últimas criaturas que iria enfrentar, afiou sua lamina com uma pedra de silício que carregava na mochila, e rapidamente calculou o que deveria fazer adiante. Pensou que se queria encontrar a biblioteca ou o homem que o diário relatava, se é que ainda estava vivo, deveria ir pela direita, afinal, era um túnel feito por homens, mas, certamente qualquer pessoa viva não ficaria parada em um local e faria uma residência, se ainda estivesse ali, estaria como ele, no mínimo buscando uma saída. Provavelmente havia se movido, então qual dos caminhos pegar? O que fazer agora?

 


 

Então Tibianos, ansiosos para os novos desafios do nosso aventureiro? Não percam o próximo capitulo do alfarrábio.

  • Thiago Henrique

    muito legal!

  • Diego Paiva

    Cada episodio fica mais top! Espero q tenha resolvido seu problema pessoal! E muito bom podermos ler novamente esses textos incriveis!

Tv Epaminondas

Patrocínio

Curta a nossa página!