[Artigo Oficial] – Passado

Hauopa!

O mês de julho começou e com ele mais um artigo oficial do mês. Hoje trazemos a continuação da história do nosso herói Tibicus.

Siga os links abaixo para ler os episódios anteriores!

1.Chuva – 2.Resgaste – 3.Desespero – 4.Problema – 5. Rivalidade – 6. Entrega – 7. Calculo – 8. Reunião – 9. Conflagração – 10. Intuições – 11. Acidente.

No capitulo de hoje, teremos um flashback sombrio pela infância de Fridolin nos traz conclusões sobre seu passado e tragédia pessoal.

Fridolin foi uma criança maravilhosa. Nascido e criado em condições apertadas, foram sua mãe amorosa, bondosa e seu pai gentil que deram seu melhor para lhe prover uma infância feliz. Na maior parte das vezes isolado das dificuldades diárias de seus pais, ele cresceu são e salvo em um ambiente carinhoso na fazenda de seus pais.

Ele ainda era apenas um garoto, mal era maior que um goblin quando aconteceu. O pai dele havia acabado de voltar dos campos e estava quase guiando os animais para dentro dos estábulos atrás da casa sob a luz dos sóis poentes.

Fridolin ficou na varanda de seu pequeno e modesto chalé que seu avô paterno uma vez construiu nos arredores de Thaís, para brincar com as pequenas estatuetas de madeira que seu pai recentemente havia esculpido. Com a boca ensopada e o estômago roncando ele ainda estava sentado debaixo da janela, tentando inalar cada pedaço do cheiro apetitoso que o bolo recém assado de sua mãe espalhava através da janela da cozinha para o mundo.

Somente as grossas, nuvens negras, que estavam se aproximando inexoravelmente de Thais prometendo chuva e vento pesados, atrapalhava o seu pequeno paraíso. A distância, trovões já estavam começando e a mãe de Fridolin correu pra fora de casa para ajudar o marido com os animais.

O vento começou a uivar, chicoteando a chuva em direção a fazenda deles e tornando os pesados pingos em agulhas afiadas. Fridolin ficou de pé na varanda coberta e observou seus pais apressadamente fecharem os portões do celeiro.

Enquanto isso a chuva já estava caindo em baldes empoçando até a altura do tornozelo o solo desigual. Fascinado pela grande quantidade de água caindo do céu, demorou um pouco antes que Fridolin percebesse que o chão lamacento próximo ao celeiro começara a se mover.

Uma após a outra, as poças desapareceram. Engolidas pela funda rachadura que começava a se espalhar por todo o campo. Uma fina, branca névoa escapava das rupturas e Cíntia a superfície rodando gentilmente envolta da água através das estacas de madeira próximo ao celeiro.

01_floorcracks_small.jpgEle jamais havia visto algo como aquilo antes e seguiu o caminho de rachaduras arando através do campo com grandes olhos. Focado nas aberturas que se alargavam, Fridolin quase teve um ataque do coração quando enormes garras derrepentemente emergiram das profundezas cavando fundo nas beiradas do abismo. Lentamente, contornos escuros e nebulosos elevaram-se para a superfície. Grandes figuras, muito acima dos dois metros de altura, surgiram do chão.

Seus olhos e bocada brilhavam com uma luz difusa. Fridolin gritou com todo o ar de seus pulmões ao ver estas criaturas. Alarmados pelo grito estridente de medo de seu filho, os seus pais perceberam o perigo iminente e correram o mais rápido que eles puderam através da casa. Mas era tarde demais.

Por todo o lugar, demônios subiram do submundo e os movimentos acelerados de seus pais já havia atraído a atenção deles.

Os demônios, agacharam, juntaram suas forças e atacaram sua presa em fuga. Um deles atingiu a mãe de Fridolin com sua para. Ela gritou em agonia quando as garras cavaram grandes sulcos em suas costas e rasgou seu vestido em pedaços ensopados de sangue.

02_demonattacksmom_small.jpgBerrando de dor, ela perdeu o seu equilíbrio e caiu em seus joelhos. Outro demônio aproveitou a oportunidade e cuspiu uma grande bola de fogo em direção a mãe que lutava, tentando ficar de pé com seu corpo ferido. A chuva e a distância enfraqueceram o ataque, mas os farrapos restantes do vestido rasgado pegaram fogo e o cheiro fedido de cabelo queimando se espalhou pelo campo.

O pai de Fridolin percebeu o perigo e agarrou sua esposa, jogou-se ao chão com ela e rollou para frente e para trás para apagar o fogo.

A lama suja afundou nas feridas abertas em suas costas e ela gritou altamente por sua dor adentro da noite.

Enquanto isso os demônios se juntaram como uma matilha de lobos de guerra famintos cercando sua presa. Um deles pegou o pé do pai levantando ele no ar com facilidade. Estupefato, Fridolin ficou na varanda e teve de assistir seu pai se contorcer e se dobrar como uma minhoca entre duas garras desta criatura aterrorizante.

03_demonclawingdad_small.jpgGuiado por um apetite voraz pelo desespero e a agonia de suas presas, os demônios começaram a perfurar os órgãos vitais com suas garras pontudas e afiadas. Para os demônios parecia muito delicioso observar uma pobre alma em seus espasmos de morte até o fim.

Sangrando como um porco furado, o espírito do pai já havia saído de seu corpo torturado quando os demônios perderam o interesse e esmagaram ele no chão áspero, rochoso com inclinação total. O alto, horrível som de quebra no impacto apenas ressegurou que o corpo quebrado do homem tinha se tornado apenas uma concha sem vida.

Depois que eles perceberam que eles tinham acabado com a vida do pequeno brinquedo, a horda voltou sua atenção para a mulher que ainda estava deitada se contorcendo na lama. Como animais selvagens eles começaram a machucar o corpo maltratado da mãe.

Eles aprenderam com os erros anteriores e apesar dos gritos de desespero e dor dela levarem os níveis de êxtase e os estímulos por sua luxúria por sangue a novas alturas, eles evitaram a todo custo, matar a jovem mulher rápido demais. Seu martírio deveria durar muitas horas e no final os guardas reais, que fossem enviados pelo Rei Tibianus no dia seguinte para documentar as extensões nos áreas ao redor, encontrariam os restos roídos dela.

Fridolin, no entanto, não estava ciente das provações prolongadas de sua mãe. Ele já havia ido a muito tempo. Despercebido, ele havia fugido pela noite, pelas sombras quando os intrusos estavam ocupados torturando seus amados país. Ele havia perdido tudo, nada o mantinha neste local esquecido.

Tv Epaminondas

Patrocínio

Últimas Notícias

Curta a nossa página!